Estamos a melhorar a sua experiência no nosso site.
Novidades brevemente!

Rádio Alto Minho

PUBLICIDADE

Desentupimentos e Limpeza de Fosas, Assistência a Caldeiras, Detecção de Fugas de ÁguaDesentupiemntos Industriais e DomésticosAssistência Cladeiras e Esquentadores
Rádio Alto Minho - Roady
Rádio Alto Minho - MCostas – Seat
Rádio Alto Minho - INSOMNIA
Locutor
No Ar

Rádio Alto Minho

Homem que raptou e abusou de menor de Ponte de Lima com nova acusação

de Andrea Cruz (RAM)

atualizada às 17:36,Seg, Março, 2018

PUBLICIDADE

O homem homem de 24 anos, de Vagos, Aveiro, acusado, em 2017, de um crime de rapto agravado e 12 de abuso sexual de uma menor de 13 anos de Ponte de Lima, foi alvo de uma nova acusação de abuso sexual de crianças num outro processo.

O arguido, está acusado de três crimes de abuso sexual de crianças, um dos quais na forma tentada, contra uma rapariga de 13 anos residente em Cacia, no concelho de Aveiro, que conheceu através da rede social Facebook.
Os factos ocorreram em 2017 e a situação foi descoberta pela mãe da menor que denunciou o caso à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.
Segundo a acusação, o indivíduo encontrou-se com a menor numa zona “escondida e recatada”, em Cacia, e convenceu-a a terem relações sexuais. Após os primeiros abusos, os dois passaram a agir como namorados.
A acusação descreve mais dois episódios de abusos ocorridos no quarto da menor, que terá permitido que o arguido entrasse na sua casa, quando os pais se encontravam a dormir.
O Ministério Público (MP) diz que o suspeito agiu com a intenção de satisfazer os seus instintos libidinosos bem sabendo que a rapariga tinha apenas 13 anos e como tal “carecia de capacidade para se autodeterminar sexualmente”.
O arguido está em prisão preventiva a aguardar o início do julgamento pelo rapto da menor de Ponte de Lima, que vai decorrer no Tribunal de Viana do Castelo.
Neste processo, responde pelos crimes de detenção de arma proibida, rapto e abuso sexual de crianças.
De acordo com a acusação, o arguido convenceu a menor a deslocar-se da sua residência para Vagos, à revelia dos pais, o que esta fez no dia 3 de março de 2017.
O suspeito terá depois conduzido a jovem a uma casa de residência pertença de familiares, onde a teve sob o seu domínio, à exceção dos breves instantes em que num desses dias lhe permitiu sair, e ainda que, durante esse tempo, manteve com a jovem trato sexual.
A jovem esteve encerrada na referida casa até ao dia 10 de março, quando foi encontrada pela Polícia Judiciária que a localizou através do sinal do telemóvel.
Além destes dois processos, o indivíduo já foi identificado como suspeito em quatro inquéritos todos pela prática de crimes de natureza sexual contra menores de idade.
Fotos: SicNotícias

RAM -
RAM -
RAM -
RAM -

PUBLICIDADE

Blisq Creative