Quantcast
EMISSÃO ONLINE
OUVIR..
Regional

Artista venezuelano com intervenção artística em Vila Nova de Cerveira

Rádio Alto Minho

21 Julho 2021, 10:55

Acessibilidade

Publicidade

O município de Vila Nova de Cerveira e a zet gallery inauguram, no próximo sábado dia 24 de julho, às 10 horas, a obra “Homenagem ao eterno mestre dos inquietos”, da autoria do artista venezuelano Juan Domingues. Trata-se de uma pintura mural em homenagem a Henrique Silva, artista e antigo diretor da Bienal Internacional de Cerveira, integrada no programa de residências artísticas AMAR O MINHO, projeto promovido pelo consórcio MINHO IN que integra os 24 município do Minho.

A intervenção artística, realizada numa das paredes do Cineteatro de Cerveira, apresenta duas figuras de Henrique Silva, correspondendo  a dois períodos da sua vida, nomeadamente da juventude e da atualidade. Juan Domingues procurou “retratá-lo na sua diversidade de momentos de vida, captando-lhe o olhar sincero e inquieto e uma eterna incapacidade de resignação”, desvenda a Helena Mendes Pereira, diretora e curadora da zet gallery. A cerimónia decorre na zona exterior do Cineteatro de Cerveira, seguindo-se às 11 horas,  a apresentação do livro  “BIENAIS INTERNACIONAIS DE ARTE DE CERVEIRA (2008 a 2020): resiliências, crises e transformações.”, da autoria de Helena Mendes Pereira, uma edição daquele município com o apoio da Fundação Bienal de Arte de Cerveira e da Universidade do Minho.

Intervenções artísticas em espaços públicos para democratizar o acesso à arte

A par deste mural, a zet gallery vai preencher o mês de agosto com inaugurações na região do Minho,  levando a cultura ao espaço público através de várias formas de expressão artística. Após a intervenção artística de Rafa Lopéz em mais uma antena  de telecomunicações da Altice, na Branda da Aveleira em Melgaço, inaugurada recentemente, a zet gallery prossegue o seu trabalho de democratização de acesso à arte através do espaço público com a inauguração, em agosto, do painel de azulejos coletivo que está a ser desenvolvido por sete artistas femininas, no âmbito da Feira do Livro de Braga.  “Na zet gallery e no dstgroup acreditamos profundamente no poder da arte em espaço público enquanto potenciadora do acesso democrático, de todos, à cultura e ao conhecimento. Há anos que perseguimos este objetivo de a Arte não ser um exclusivo das elites, trabalhando com os territórios e com diversos municípios em projetos, não só de implementação de obras de arte em espaço público, mas também de investigação sobre o existente. É também no espaço público que mudamos o mundo”, enfatiza Helena Mendes Pereira.

No dia 13 de agosto, o Altice Forum Braga ganha assim mais uma obra de arte, materializando mais uma  produção artística cedida pela zet gallery e pelo dstgroup à cidade e ao município de Braga. Com curadoria de Helena Mendes Pereira e sob coordenação técnica de Bárbara Forte, “SER MULHER, SER ARTISTA” foi um desafio lançado a uma dúzia de artistas, mulheres, para pensarem a partir do que é ser mulher e ser artista em pleno século XXI e, em particular, num tempo marcado pela Covid-19. “A narrativa do resultado conta-nos estórias de mulheres que sonham, lutam, criam, são complexas, inteiras, capazes e inspiradoras”, adianta a curadora.

Em  Caminha, a 17 de agosto, o município homenageia António Pedro, personalidade do teatro, da literatura, das artes plásticas e da cultura, de uma forma geral, com a inauguração da obra“ MULHER-CÃO E A ILHA DO ANJO”, da autoria de Pedro Figueiredo.

55 anos após o desaparecimento de uma das vozes que fez parte da primeira geração de surrealistas portugueses, Pedro Figueiredo foi convidado, no âmbito do programa de residências artísticas AMAR O MINHO,  a desenvolver um conjunto escultório, em bronze, constituído por dois elementos. “A mulher inspirada no óleo sobre tela “Ilha do Cão”, que António Pedro pintou em 1941 e que parte do referencial paisagístico deste lugar e, em particular, da Ínsua, e O Querubim, segundo elemento escultórico, que encima o muro de suporte, observando a cena e trazendo o surrealismo idílico à proposta de Pedro Figueiredo, cujo vocabulário plástico é perfeitamente reconhecível nesta obra”, revela Helena Mendes Pereira.

Sobre esta estratégia de democratização da arte nos territórios, a diretora da zet gallery cita Claude Leford (FR, 1924-2010) que escreveu que “a sobrevivência e extensão do espaço público é uma questão política. Quero dizer com isso que é a questão que está no cerne da democracia.” Segundo aquela responsável, “a julgar pelo número de referências ao espaço público no discurso estético contemporâneo, o mundo da arte parece estar a levar a democracia a sério. As alusões ao espaço público multiplicam-se na última década juntamente com o crescimento altamente divulgado nas comissões para arte pública e da curadoria de espaço público, concordam-se que o espaço público está inextricavelmente ligado aos ideais democráticos”. E exemplifica “quando os programadores artísticos e culturais, autoridades municipais formulam critérios para colocar “arte em lugares públicos”, rotineiramente empregam um vocabulário que invoca, embora vagamente, os princípios da democracia direta e representativa.  A terminologia da arte pública frequentemente promete um compromisso não apenas com a democracia como forma de governo, mas também com um espírito democrático geral de igualdade”. A curadora justifica esta ideia com uma citação da historiadora e crítica de arte Rosalyn Deusche, que defende que   “todas estas práticas se sustentam na ideia de que o espaço público, longe de ser uma entidade preexistente criada para os seus usuários, é antes um espaço que emerge da prática dos seus utilizadores.”

Publicidade

Rádio Alto Minho - Decisões e Soluções
Rádio Alto Minho - Census – noticia

Publicidade

Rádio Alto Minho - Perspetiva [João] (notícias)
Rádio Alto Minho - Nobre Movel
Rádio Alto Minho - AUTO QF

APP ALTO MINHO

APP - Rádio Alto Minho

Comentários

Publicidade