EMISSÃO ONLINE
OUVIR
Nacional

Insolvências de empresas diminuiu em Viana do Castelo

Pedro Xavier

06 Julho 2018, 8:51

Acessibilidade

Publicidade

As insolvências aumentaram em mais de dois terços dos distritos do país no primeiro semestre, sendo a indústria extrativa e a eletricidade, gás e água os setores mais afetados, segundo dados divulgados pela Iberinform Crédito y Caución.

A contrariar esta tendência nacional, apenas sete distritos viram as insolvências diminuir: Horta (-40%), Viseu (-21,4%), Madeira (-17,3%), Évora (-13,6%), Viana do Castelo (-11,7%), Leiria (-11,6%) e Setúbal (-11,2%).

Até final de junho, 68% dos 22 distritos do país registaram um aumento no número de insolvências, mantendo-se Lisboa e Porto como os distritos com maior número de casos – 994 e 806, respetivamente, mais 0,2% e 18,9% em termos homólogos –, seguidos de Braga (283), Aveiro (271), Setúbal (221) e Santarém (128).

As subidas mais notórias no total de insolvências registaram-se nos distritos de Beja (130%), Angra do Heroísmo (100%), Castelo Branco (59,5%), Guarda (51,7%), Vila Real (47,2%), Bragança (37,5%) e Faro (34,1%).

Em termos setoriais, apenas dois setores apresentaram um decréscimo de insolvências – telecomunicações (-33,3%) e transportes (-11,6%) –, tendo os maiores aumentos ocorrido na indústria extrativa (160%), eletricidade, gás, água (25%), agricultura, caça e pesca (13,6%), comércio de veículos (14,8%) e no comércio a retalho (9,4%) e por grosso (10,2%).

Até final de junho, a conclusão de processos cresceu 21,5% face a 2017, enquanto os pedidos de insolvência, requeridos ou apresentados pelas próprias empresas, recuaram 9,4%.

A aprovação de planos de insolvência também diminuiu, de 62 em 2017 para 44 no primeiro semestre deste ano (-29%), somando-se até junho 3.600 ações de insolvência contra 3.391 no mesmo período de 2017 (+6,2%).

No entanto – nota a Iberinform – este valor é inferior ao registado em 2016 (-7,4%) e em 2015 (-4,9%).

Considerando apenas o mês de junho, foram 600 as ações de insolvência registadas, mais 15,2% em termos homólogos, o que faz deste “o segundo mês do ano com maior número de insolvências” (em maio foram 723), devido ao aumento no número de processos concluídos.

No que se refere à constituição de novas empresas, diminuiu 2% em junho, para 3.345, mas acumula um aumento de 11% desde o início do ano, com um total de 24.353 novas empresas constituídas.

Segundo a Iberinform, Lisboa e Porto lideram também nas constituições de empresas, com totais acumulados de 8.396 e 4.338, respetivamente, o que traduz subidas homólogas de 17,4% na capital e de 13,8% no Porto.

“O pódio dos maiores aumentos é liderado, no entanto, pelos distritos de Setúbal (+21,3%) e da Guarda (+18,5%)”, refere, reportando que os maiores decréscimos aconteceram nos distritos da Horta (-31,4%), Portalegre (-26,8%) e Beja (-17,1%).

Até junho, os setores com maior peso nas constituições foram os outros serviços (47,4%), hotelaria/restauração (12,1%), construção e obras públicas (9,5%) e comércio a retalho

Publicidade

Rádio Alto Minho - Census – noticia
Rádio Alto Minho - Lusomotor
Rádio Alto Minho - SofásZone
Rádio Alto Minho - BLISQ CREATIVE – Soluções de Web design, Publicidade e Marketing

Publicidade

Rádio Alto Minho - Motriviana – CLÍNICA
Rádio Alto Minho - Biojaq NOTICIAS individual
Rádio Alto Minho - Rocha Pneus

Siga-nos

Comentários

Publicidade