Estamos a melhorar a sua experiência no nosso site.
Novidades brevemente!

Rádio Alto Minho

PUBLICIDADE

Desentupimentos e Limpeza de Fosas, Assistência a Caldeiras, Detecção de Fugas de ÁguaDesentupiemntos Industriais e DomésticosAssistência Cladeiras e Esquentadores
Rádio Alto Minho - INSOMNIA
Rádio Alto Minho - Roady
Rádio Alto Minho - MCostas – Seat
Locutor
No Ar

Rádio Alto Minho

Nove freguesias da margem esquerda do Lima contra fecho do balcão da CGD de Darque

de Andrea Cruz (RAM)

atualizada às 14:58,Sex, Junho, 2018

PUBLICIDADE

Representantes das freguesias de Vila Nova de Anha, União de Freguesias de Mazarefes e Vila Fria, Chafé, União de Freguesias de Geraz e Deão, União de Freguesias de Subportela, Deocriste e Portela Suzã, Vila Franca, São Romão do  Neiva, Alvarães e Castelo do Neiva garantiram hoje que “tudo” irão fazer para evitar o encerramento, no final do mês, do balcão de Darque da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que serve 30 mil habitantes.

“Estamos conscientes da grande utilidade da Agência da Caixa Geral de Depósitos e, por isso, tudo faremos para evitar o anunciado encerramento, contando para tal com o apoio de todos”, afirmou, em conferência de imprensa, o presidente da Comissão Administrativa da Freguesia de Darque, Fernando Garcês.

Falando também em nome das restantes juntas representadas no encontro com os jornalistas, Fernando Garcês adiantou que “todas as freguesias da margem esquerda do rio Lima combaterão energicamente esta medida do conselho de administração da CGD”.

“O encerramento desta agência, a confirmar-se, acontecerá em contraciclo com o desenvolvimento da Vila de Darque e de toda a margem esquerda do Lima”, sustentou.

Fernando Garcês reforçou que a “finalidade e a função do Estado é criar as condições para a vida em sociedade e regulá-las para o bem comum, sendo entendido este como conjunto de todas as condições que possibilitem e favoreçam o desenvolvimento integral da personalidade humana”.

Sublinhou que a vila de Darque “era servida por cinco agências bancárias e que, a confirmar-se o encerramento do balcão da CGD, inaugurado em 1989, restará apenas um banco.

“Só se percebe a intenção de fechar se pensarmos que alguém em Lisboa olhou apenas para a situação geográfica, não reparando num rio a meio, num vasto número de freguesias na sua envolvente, ignorando a onda de reabilitação e de requalificação urbana que se está a fazer, ignorando o crescimento comercial”, disse, adiantando que “já na próxima semana, outro balcão mas do Millennium BCP vai fechar portas”.

O responsável afirmou que os membros da comissão administrativa da Freguesia de Darque “já se reuniram com o CEO e o presidente da administração da CGD” e que, no imediato, irão fazer chegar àquela entidade bancária “uma proposta formal tentar resolver este caso”.

“A solução passa por encerrar do balcão de São Vicente, na freguesia da Meadela, para que a população da margem esquerda do rio Lima continue a ser servida pelo balcão da CGD. Isto porque a margem direita tem assegurada a agência principal da cidade, na avenida dos Combatentes”, especificou.

Fernando Garcês disse ainda o caso já foi comunicado “ao presidente da Câmara de Viana do Castelo, aos ministros da Economia, das Finanças, da Administração Interna e Autarquias, comissões parlamentares”.

Na terça-feira, vários órgãos de comunicação social noticiaram que a Caixa Geral de Depósitos iria encerrar mais 75 balcões até ao final deste mês.

RAM -
RAM -

PUBLICIDADE

Blisq Creative