Rádio Alto Minho

PUBLICIDADE

Rádio Alto Minho - Misturacor
Rádio Alto Minho - Roady
Rádio Alto Minho - MCostas – Seat
Rádio Alto Minho - INSOMNIA
Locutor
No Ar

Rádio Alto Minho

Assembleia de Credores aprova liquidação das padarias Cais Novo

de Andrea Cruz (RAM)

atualizada às 14:12,Seg, Novembro, 2017

PUBLICIDADE

A assembleia de credores  das padarias Cais Novo aprovou, hoje, no tribunal de Viana do Castelo a liquidação  da sociedade Fernandes&Alves, Lda.

A informação foi avançada à RAM  pela advogada da representante da comissão de trabalhadores. Isabel Guimarães explicou que os cerca de 60 trabalhadores “vão dar entrada com um incidente para qualificação da insolvência, por considerarem que há indícios de negócios dolosos”.

De acordo com advogada, “60% dos credores presentes na assembleia de credores votaram pelo encerramento imediato da empresa, contra 40% que representa os créditos da Segurança Social, Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco e da empresa PaniMinho”.

Isabel Guimarães revelou também que “a juíza responsável pelo processo colocou também à votação um plano de recuperação, apresentado pela empresa, que foi rejeitada pelos credores presentes”.

Com mais de 70 anos de existência, a Fernandes&Alves, Lda tem dívidas no valor de cerca de 2,3 milhões de euros.

O pedido de insolvência foi apresentado, em setembro, pela própria empresa, com sede no Cais Novo, em Darque, alegando dívidas no valor 1,358.974 euros, a mais de 200 credores e decretada, em outubro, pelo tribunal local.

De acordo com a sentença, entre os principais credores da empresa encontram-se a Caixa Geral de Depósitos (mais de 169 mil euros) e o Novo Banco, com 134 mil euros.

No processo constam ainda casos judiciais anteriores à declaração de insolvência, nomeadamente uma execução intentada pela Segurança Social, no valor de 300 mil euros, um processo contra ordenação da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) de 59 mil euros e cinco processos instaurados por trabalhadores que correm no Tribunal de Trabalho.

A administração da empresa alegou “falta de liquidez” para pedir a insolvência, “traduzida na ausência de crédito e indisponibilidade dos sócios para entradas suplementares de capital”.

No documento, a juíza que declarou a insolvência  nomeou Fernando Carvalho como administrador de insolvência.

Fundada em 1945, a empresa tinha um capital social de 199.519 mil euros, dedicando-se à produção e comércio de pão e de produtos similares.

RAM -
RAM -
RAM -

PUBLICIDADE

Blisq Creative