Quantcast
EMISSÃO ONLINE
OUVIR..
Nacional

MP pede mais informações e adia julgamento entre Mário Ferreira e Ana Gomes

Rádio Alto Minho

18 Setembro 2022, 16:28

Acessibilidade

Publicidade

As alegações finais do julgamento que opõe Mário Ferreira a Ana Gomes foram hoje adiadas, depois de o Ministério Público ter pedido acesso aos processos em curso contra o empresário e “dossiê de preços de transferências” do navio Atlântida.

A juíza acedeu ao pedido, que já havia sido feito pela defesa da antiga eurodeputada, ficando a continuação do julgamento pendente da receção dos documentos pedidos.

O advogado de Ana Gomes, Francisco Teixeira da Mota, disse que é importante ver esclarecida “toda esta questão”.

Por seu lado, o advogado de Mário Ferreira, Tiago Félix da Costa, assumiu que o empresário está disponível para entregar qualquer documentação que o tribunal considere pertinente recordando, contudo, que o mesmo não está a ser julgado.

A 18 de fevereiro, a antiga eurodeputada começou a ser julgada no Tribunal do Bolhão, no Porto, por difamação agravada a Mário Ferreira, na sequência de um longo contencioso entre ambos.

Em causa estão considerações sobre o empresário do grupo Mystic Invest/Douro Azul e da TVI, produzidas pela ex-eurodeputada na estação de televisão SIC Notícias e na rede social Twitter, na sequência de investigações e buscas relacionadas com a subconcessão do Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) e de negócios de navios.

Reagindo a um ‘tweet’ do primeiro-ministro, António Costa, após participar em 07 de abril de 2019 no batismo do MS World Explorer (paquete construído nos ENVC por iniciativa do grupo Mystic Invest), a também ex-candidata presidencial Ana Gomes lamentou que o chefe do Governo tratasse como grande empresário um “notório escroque/criminoso fiscal”, além de classificar a venda do ‘ferryboat’ Atlântida como “uma vigarice”.

À saída do tribunal, Ana Gomes afirmou manter as suas convicções, assim como as ter reforçado “pelos últimos desenvolvimentos”, referindo-se às buscas realizadas pelo Ministério Público e a Autoridade Tributária às empresas de Mário Ferreira, numa investigação sobre a venda de um ferry (navio Atlântida) a uma sociedade com sede em Malta.

“Eu mantenho as minhas convicções e, sim, estão reforçadas pelos últimos desenvolvimentos que são de conhecimento público [buscas]”, afirmou aos jornalistas.

E acrescentou: “há mesmo outros elementos que até não foram aqui hoje evocados, como seja o pedido e depois a desistência do empréstimo do Banco de Fomento que concorrem para reforçar a minha convicção de que estamos aqui perante um conjunto de trapaças”.

A ex-diplomata referia-se ao facto do grupo Pluris, do qual Mário Ferreira é acionista principal, ter prescindido do empréstimo de 40 milhões de euros concedidos pelo Banco Português de Fomento, optando por realizar um aumento de capital com fundos próprios.

 

Publicidade

Rádio Alto Minho - Mais Optica

Publicidade

Rádio Alto Minho - Petropneus NOTICIAS
Rádio Alto Minho - Karuta
Rádio Alto Minho - Census – noticia
Rádio Alto Minho - Hospital Particular 01
Rádio Alto Minho - HABITUAL

Publicidade

Rádio Alto Minho - CAMBÃO MOBILIÁRIO
Rádio Alto Minho - Nobre Movel
Rádio Alto Minho - Auto Valverde Geral

Publicidade

Rádio Alto Minho - SAUVECEL
Rádio Alto Minho - EuroStyle

APP ALTO MINHO

APP - Rádio Alto Minho

Publicidade