EMISSÃO ONLINE
OUVIR..
Nacional

Advinha do ministro da Defesa traz para estaleiros de Viana construção dos novos patrulhas para a Marinha

Andrea Cruz

06 Fevereiro 2019, 13:45

Acessibilidade

Publicidade

O ministro da Defesa disse hoje nos estaleiros de Viana do Castelo ter o poder de “adivinhar” que os seis novos Navio Patrulha Oceânico (NPO), previstos na Lei de Programação Militar, serão construídos pela West Sea, num investimento de 360 milhões de euros.

“Ainda não se sabe, mas podemos adivinhar. Ainda estamos, primeiro, no processo de aprovação da Lei de Programação Militar. Uma vez tendo essa aprovação na Assembleia da República será o momento de falarmos com os estaleiros, mas é evidente que Viana do Castelo oferece condições excecionais. É evidente que queremos que sejam feitos em Portugal e, portanto, como digo, podemos adivinhar”, afirmou João Gomes Cravinho.

O ministro, que falava aos jornalistas, nos estaleiros da West Sea, em Viana do Castelo, no final da cerimónia de batismo do NPO Setúbal, garantiu que o Governo “não permitirá que esta oportunidade, e este investimento saiam de Portugal”.

“Primeiro haverá negociações com os estaleiros.  Obviamente temos de acautelar seja os interesses da economia nacional seja as disponibilidades financeiras da Marinha. Há sempre aqui um trabalho a fazer e, portanto, não me posso comprometer até termos contratos assinados. Agora não vamos permitir, espero bem, que esta oportunidade e este investimento saiam de Portugal. Será, com certeza, um investimento feito em Portugal, para Portugal”, reforçou.

Segundo João Gomes Cravinho o período temporal de construção dos navios será de seis anos, “a uma cadência de um por ano”, num investimento 360 milhões de euros.

O governante disse ainda esperar que o Navio Polivalente Logístico, também previsto na nova Lei de Programação Militar, também venha a ser construído pelos estaleiros da West Sea, em Viana do Castelo, apesar de considerar tratar-se de uma “matéria mais complexa”.

“É uma experiência que ainda não existe em Portugal e vai depender das especificações que foram feitas para o Navio Polivalente Logístico. Mas, a minha esperança é que toda a Lei de Programação Militar incluindo, obviamente, esse investimento tenha uma grande repercussão positiva para a economia nacional”, referiu.

Em novembro de 2018, o Conselho de Ministros aprovou a proposta de Lei de Programação Militar (LPM) para o período 2019/2030, que prevê um investimento de 4,74 mil milhões de euros. O documento está em discussão na Assembleia da República.

Hoje, nos estaleiros de Viana do Castelo, foi batizado o NPO Setúbal, o segundo de dois construídos pela West Sea, subconcessionária dos extintos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

A ‘madrinha’ deste navio patrulha foi a investigadora da Universidade Nova de Lisboa Jessica Rachel Hallett, mulher do ministro da Defesa.

O primeiro de dois NPO construídos pela West Sea foi entregue à Marinha em julho de 2018, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, tendo como ‘madrinha’ Fernanda Gonçalves Tadeu, mulher do líder do executivo.

Os dois navios não estão ainda equipados com sistemas eletro-óticos e com peças de artilharia.

Questionado pelos jornalistas, o Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante António Mendes Calado admitiu que os equipamentos já deveriam ter chegado.

“Deviam ter chegado se tivéssemos tido financiamento para isso. As dificuldades no financiamento do investimento na Marinha refletem-se em prioridades e a prioridade não foi dada a esses dois equipamentos. Quando chegarem serão instalados e os navios, até lá, continuarão a cumprir a sua missão, sem necessidade desses equipamentos. Não são urgentes e não impedem o navio de planeamento de atividade operacional”, explicou.

O Almirante António Mendes Calado adiantou que as peças deverão chegar “no final do ano”, especificando que os “tempos de fornecimento” daquele equipamento oscilam “entre os 14 e 18 meses”.

“A Marinha como não se deixa atrapalhar com as faltas das coisas ultrapassou essas dificuldades recorrendo à instalação de outro tipo de artilharia e relativamente ao sistema eletro-ótico utilizamos um sistema portátil, que nos permite ter visão noturna”, salientou.

O Chefe do Estado-Maior da Armada manifestou “orgulho” pelo facto de o contrato que previa a construção dos dois NPO, o Sines e o Setúbal, ter sido “cumprido em tempo e dentro do orçamento previsto”.

“Só reflete a capacidade nacional de fazer estes navios e que deve ser motivo de orgulho para todos. A Marinha vê o seu contributo reconhecido. Tivemos uma equipa de técnicos a acompanhar todo o processo. Isto foi revelador da nossa competência e da credibilidade da nossa construção naval, de que a Marinha é parceira e, em futuros projetos, podem sempre contar com a competência e experiência da Marinha”, sublinhou.

Cada um dos NPO custou 60 milhões de euros e demorou cerca de três anos a construir.

Publicidade

Rádio Alto Minho - Census – noticia
Rádio Alto Minho - BLISQ CREATIVE – Soluções de Web design, Publicidade e Marketing
Rádio Alto Minho - Lusomotor (noticias individual)
Rádio Alto Minho - MCostas – Seat
Rádio Alto Minho - OVNITUR

Publicidade

Rádio Alto Minho - Nobre Movel
Rádio Alto Minho - Cronograma
Rádio Alto Minho - QUEEN (individual)
Rádio Alto Minho - Taqi
Rádio Alto Minho - Biojaq NOTICIAS individual
Rádio Alto Minho - Rocha Pneus (noticias)
Rádio Alto Minho - Keyframe (notícias)

Siga-nos

Comentários

Publicidade